O Metro de Lisboa adiou as expropriações necessárias para a ampliação da linha vermelha

O Metropolitano de Lisboa tem mantido contacto permanente com as partes interessadas desde o início do processo, em 1º de setembro. Está empenhado em encontrar as melhores soluções para mitigar os impactos e garante que ninguém será desalojado antes de encontrar uma solução.

Os moradores e proprietários foram informados inicialmente por carta e posteriormente contactados para iniciar negociações com vista a alcançar um acordo que minimize os transtornos e reduza os impactos causados pelo prolongamento da linha.

O Metropolitano de Lisboa irá indemnizar proprietários, arrendatários e empresas, de acordo com a lei e com base na avaliação efetuada por peritos designados pelo Tribunal da Relação de Lisboa.

O espaço do Baluarte do Livramento será temporariamente ocupado para a instalação de um estaleiro e construção de um túnel. Após a conclusão das obras, o estaleiro será removido e o espaço restante será devolvido à Câmara Municipal de Lisboa para definir a sua futura utilização.

O prolongamento da Linha Vermelha São Sebastião/Alcântara terá uma extensão total de cerca de quatro quilómetros. Terá três novas estações subterrâneas – Amoreiras/Campolide, Campo de Ourique e Infante Santo – e uma estação à superfície em Alcântara. A conclusão está prevista para 2026, com um financiamento de 405,4 milhões de euros no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência 2021-2026.

MAIS:  Construção em debate: Caminho para uma construção limpa em Portugal