Studo revela que 7 em cada 10 portugueses atribui responsabilidade às marcas na resolução dos problemas globais

Segundo a última edição do estudo Meaningful Brands, realizado pela Havas Media Network, os consumidores estão a sentir os efeitos da policrise no seu quotidiano, o que se reflete numa maior exigência para com as marcas, com 73% dos portugueses a afirmar que estas têm o dever de contribuir para a resolução de alguns dos problemas globais da sociedade.

De acordo com os dados do estudo, apesar de 91% dos inquiridos destacar a crise ambiental como a preocupação mais urgente a nível global, a nível pessoal, é a crise económica que mais os preocupa. Para o ilustrar, 54% dos inquiridos a nível global afirmou que as empresas deveriam estar mais focadas em ajudar os seus clientes e não só na venda de produtos ou serviços.

Esta responsabilização das marcas e empresas por parte dos consumidores, colocou-as como o segundo stakeholder mais importante na resolução dos desafios económicos, depois das entidades governamentais e políticas. Contudo, os consumidores assumem sentir que estas não estão a conseguir corresponder às novas exigências, chegando a afirmar que não se importariam se 75% das marcas que existem hoje desaparecessem.

MAIS:  Banco de Portugal acredita em prudência na distribuição de lucros e melhoria do rating dos bancos

Porém, a crescente exigência dos consumidores não se faz sentir apenas ao nível das marcas, assistindo igualmente a uma crescente auto-responsabilização por parte dos mesmos, com os portugueses inquiridos a afirmar que, além das entidades governamentais, são eles que detêm o poder para resolver as crises política (70%), económica (78%) e ambiental (63%).

Estes insights vêm reforçar que, mais do que nunca, para permanecerem relevantes e significativas (Meaningful Brands), as marcas precisam de estar simultaneamente atentas às necessidades individuais e ao contexto global, oferecendo benefícios em torno de três pilares: funcional, coletivo e pessoal.

Para os consumidores, esta é a era do “Me-conomy” (“Economia do Eu”), onde os benefícios pessoais assumem maior peso na construção de marcas relevantes. E, nesta perspetiva, os três pilares traduzem-se na capacidade de uma marca contribuir para a construção de um futuro melhor, mas também que ajude os consumidores a simplificar a sua vida (63%), a poupar tempo e dinheiro (61%) e que os inspire (56%).

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.