Rússia e ONU debaterão o futuro do acordo dos cereais

Dirigentes das Nações Unidas discutirão o futuro do acordo sobre cereais ucranianos em Moscou

Dois altos dirigentes das Nações Unidas, Martin Griffiths e Rebeca Grynspan, irão discutir o futuro do acordo sobre os cereais ucranianos, do qual a Rússia se retirou em julho, em uma reunião em Moscou na próxima semana.

Consultas sobre segurança alimentar e avaliação da situação

Durante a reunião, os dirigentes das Nações Unidas irão realizar consultas sobre segurança alimentar e reafirmar sua posição e avaliação sobre a questão. O objetivo é abordar toda a gama de questões relacionadas ao acordo.

Mantém-se em vigor um memorando de três anos entre a Rússia e a ONU

Apesar de a Rússia ter se retirado do acordo, ainda está em vigor um memorando de três anos que foi assinado entre a Rússia e a ONU. Esse memorando estabelece que a Rússia poderia exportar produtos agrícolas e fertilizantes assim que os obstáculos logísticos e bancários relacionados às sanções ocidentais fossem eliminados.

Acordos permitiram exportação de produtos agrícolas da Ucrânia para 45 países

Os acordos assinados em julho de 2022 permitiram a exportação de mais de 32 milhões de toneladas de produtos alimentares da Ucrânia para 45 países em três continentes. No entanto, os cereais estavam bloqueados devido à guerra entre a Rússia e a Ucrânia.

MAIS:  Funchal bate recorde de temperatura com 34,7 graus – IPMA

A importância do acordo para o abastecimento e a segurança alimentar mundial

O acordo é considerado crucial para o abastecimento e a segurança alimentar mundial, já que Ucrânia e Rússia são dois dos maiores produtores agrícolas. Antes da guerra, esses países forneciam uma grande porcentagem do trigo, cevada, milho e óleo de girassol consumidos no mundo.

Moscovo exige o cumprimento de condições para voltar ao acordo

Para que a Rússia volte a fazer parte do acordo, ela exige que o banco agrícola Rosselkhozbank seja reintegrado ao sistema SWIFT, a rede internacional que permite transações financeiras interbancárias, do qual foi suspenso devido às sanções. Além disso, é exigido o fim das sanções sobre peças sobressalentes para máquinas agrícolas, o desbloqueio da logística de transporte e dos seguros, e a retomada do funcionamento de um gasoduto de amoníaco que explodiu em junho.

Sanções econômicas impostas pelos aliados ocidentais de Kiev

Os aliados ocidentais de Kiev têm imposto sucessivos pacotes de sanções econômicas à Rússia como forma de diminuir sua capacidade de financiar o esforço de guerra contra a Ucrânia. Além disso, esses aliados têm fornecido armamento à Ucrânia para combater as forças russas.

MAIS:  Falta de transparência na informação sobre o impacto do PRR