Banco Central Europeu e Reserva Federal mantêm paciência antes de cortes de juros

O Banco Central Europeu e a reserva federal continuam pacientes

O Banco Central Europeu (BCE) e a Reserva Federal continuam a apostar na paciência antes de avançarem com cortes de juros, a avaliar pelas atas das reuniões de janeiro de ambas as instituições.
Ambas as autoridades monetárias mantêm-se precavidas perante sinais mistos quanto à atividade económica, sobretudo na zona euro, levando o mercado a ajustar em baixa as suas perspetivas de curto prazo quanto à política monetária, antecipando agora menos de um ponto base de redução dos dois lados do Atlântico durante 2024.

As atas das reuniões de janeiro do bce e fed

As atas das reuniões de janeiro do BCE e Fed mostram um consenso entre os membros dos conselhos de política monetária sobre a prematuridade de cortes dos juros, com a visão de que os riscos de arrancar com a normalização cedo demais superam os de um aperto demasiado longo. Em ambas as economias, o indicador de preços tem mostrado uma tendência de descida, mas ainda insuficiente para descansar os bancos centrais.

MAIS:  Allianz Regista Aumento de Lucros e Anuncia Programa de Recompra de Ações

O risco de cortar taxas demasiado cedo

“O risco de cortar taxas demasiado cedo continua a ser percecionado como maior do que o de cortar demasiado tarde. Ter de reverter curso, no caso de a atividade económica recuperar mais forte do que se previa, de o crescimento salarial acelerar ou de renovadas pressões inflacionistas poderá representar grandes custos reputacionais”, lê-se na ata da reunião do BCE. Ainda assim, há a admissão que, “pela primeira vez em muitas reuniões, os riscos associados ao objetivo para a inflação são vistos como mais equilibrados”.