Empresas comprometem-se cada vez mais com inteligência artificial ética e responsável

A capacidade de as máquinas utilizarem algoritmos, aprenderem com os dados e utilizarem o conhecimento de uma forma que simula o cérebro humano tornou-se cada vez mais importante nos últimos tempos. Por se tratar de uma tecnologia tão poderosa em todos os sentidos, a Inteligência Artificial (IA) implica uma grande responsabilidade em termos de implementação e monitorização. Por essa razão, as empresas começam a tomar medidas no sentido de assegurar um uso ético e responsável da IA.

Uma dessas empresas é a Prosegur, que acaba de publicar a primeira Política de Inteligência Artificial Responsável aplicável a todos os países em que opera. O objetivo da empresa é garantir os direitos e as liberdades de todas as pessoas que possam ser afetadas pela utilização de soluções e tecnologias de Inteligência Artificial (IA), bem como estabelecer as bases que regulam a sua aplicação em todos os projetos que a incorporam.

Para prevenir e controlar os potenciais riscos associados à IA, a Prosegur definiu um procedimento que estabelece que a IA desenvolvida ou adquirida pela empresa deve reger-se por três pilares: legal, com o objetivo de garantir o respeito por todas as leis e regulamentos aplicáveis; ética, para garantir o cumprimento dos princípios e valores éticos; e robusta, tanto do ponto de vista técnico como social, uma vez que os sistemas de IA podem causar danos acidentais.

MAIS:  Dia Internacional da Solidariedade. O que estão as empresas a fazer

“A utilização da Inteligência Artificial está a aumentar dia após dia, especialmente na área das soluções de análise de vídeo, como pudemos detetar na Prosegur. Com esta nova política de utilização responsável da IA, queremos juntar-nos a outras grandes empresas que colocam a tecnologia no centro das suas operações, mas pretendemos fazê-lo de forma ética, lícita e robusta, como indicado na nossa política”, explica Miguel Soler, Presidente do Comité de Inteligência Artificial Responsável e Diretor Jurídico e de Compliance do Grupo Prosegur.

Para o desenvolvimento desta política, a Prosegur tomou como referência os princípios éticos definidos pela Comissão Europeia, que visam melhorar o bem-estar individual e coletivo e que devem estar presentes em todos os projetos de IA do grupo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.