Novo governo de Espanha enfatiza a economia e introduz mudanças nas vice-presidências

Novo executivo apresentado pelo presidente do governo de Espanha

O recém-reeleito presidente do governo de Espanha, Pedro Sánchez, apresentou o novo executivo nesta segunda-feira. Uma das principais mudanças é a criação de uma quarta vice-presidência, que será ocupada pela ministra das Finanças e da Função Pública, María Jesús Montero. O novo governo mantém 22 ministérios, dos quais 12 são liderados por mulheres e cinco pertencem ao Sumar, o spin off do Podemos.

Novo governo reforça a vertente económica

Os jornais espanhóis concordam que o novo governo dá ênfase à economia. O fato de as Finanças ascenderem à categoria de vice-presidência do executivo demonstra esse foco. O presidente Sánchez pretende evidenciar a recuperação econômica e colocar em segundo plano as questões políticas mais controversas.

Vice-presidências dependem da eleição de Nadia Calviño

A composição final das vice-presidências está pendente da eleição de Nadia Calviño, atual primeira vice-presidente, para a presidência do Banco Europeu de Investimento (BEI). Embora a votação estivesse prevista para dezembro, pode ser adiada para a primavera. Enquanto isso, Calviño permanecerá como primeira vice-presidente e ministra da Economia, Comércio e Empresas.

MAIS:  Preço dos combustíveis na Madeira desce a partir de segunda-feira

Outras mudanças no governo

Além das alterações mencionadas, também há outras mudanças relevantes. Félix Bolaños assume a pasta da Justiça e passa a ser considerado um “superministro”. José Luis Escrivá liderará o novo Departamento de Transformação Digital, podendo eventualmente se tornar o novo ministro da Economia. Os ministros do Interior, Negócios Estrangeiros, Defesa, Agricultura, Ciência e Inovação, além das Universidades, permanecerão nos seus cargos anteriores.