Presidente do UBS critica reguladores por pressionarem os bancos a aumentarem os capitais

Presidente do UBS critica reguladores por pressionarem os bancos a aumentarem os capitais

O presidente do UBS, Colm Kelleher, criticou os reguladores por estarem a pressionar os bancos para aumentarem os capitais e alertou que os chamados “bancos sombra [shadow lenders] “têm mais probabilidade de ser a fonte da próxima crise”.

Mercado de shadow banks não regulamentado pode originar crises

“Uma vez que o mercado de shadow banks (que escapam à supervisão dos reguladores) não está suficientemente regulamentado, é aqui que provavelmente surgirão as crises”, afirmou hoje Colm Kelleher num evento na Bloomberg House, em Davos adiantando que obrigar a procurar mais capital para o sistema bancário, “é uma tese errada”.

Reguladores procuram no sítio errado, diz presidente do UBS

No fundo, para o banqueiro, os reguladores estão “a procurar no sítio errado” quando pressionam os bancos a aumentarem o seu capital para resolver as fragilidades do sistema financeiro, já que os chamados “bancos-sombra” têm mais probabilidades de ser a fonte da próxima crise.

MAIS:  Greve anunciada pelo Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional em Portugal

O que são os bancos sombra?

Os bancos sombra são intermediários financeiros que efectuam transformações de maturidade, crédito e liquidez sem acesso explícito à liquidez do banco central ou a garantias de crédito do sector público. Exemplos de bancos paralelos (shadow banks) incluem instituições financeiras, canais de distribuição de papel comercial garantidos por ativos (asset-backed commercial paper – ABCP), veículos de investimento estruturados (SIVs), fundos de cobertura de crédito, fundos mútuos do mercado monetário; instituições que fazem empréstimo de títulos; credores de títulos, empresas financeiras de propósito limitado (LPFCs) e empresas patrocinadas pelo governo (GSEs).

Bolha de ativos nos bancos sombra

Na terça-feira, na FT Global Banking Summit, em Londres, o Chairman do UBS afirmou que “existe uma bolha de ativos nos bancos sombra”, lembrando estes players quase triplicaram desde 2015.

Potenciais riscos dos shadow banks

Os bancos sombra tornaram-se num instrumento de financiamento cada vez mais procurado pelas empresas nas operações de aquisição de outras empresas, compensando a retração do crédito bancário num contexto de aumento das taxas de juro. Alguns bancos estão preocupados. Colm Kelleher é o mais recente executivo de topo a alertar para os riscos crescentes dos shadow banks.

MAIS:  Bloco de Esquerda elogia Governo da Madeira por priorizar a habitação

Reguladores devem colmatar as “lacunas” de supervisão

Os bancos de Wall Street, em particular, estão a insurgir-se contra a implementação de um conjunto de regras estabelecidas após a última crise financeira, com os reguladores norte-americanos a quererem exigir que os bancos aumentem as suas reservas de capital em quase 20%. Elizabeth McCaul, membro do conselho de supervisão do Banco Central Europeu (BCE), afirmou na terça-feira na FT Global Banking Summit, que os empréstimos não bancários, que incluem dívida privada, são “demasiado opacos”. Os reguladores devem colmatar as “lacunas” de supervisão, uma vez que o mercado em crescimento pode representar riscos sistémicos, salientou.

Presidente do UBS otimista em relação à rentabilidade do banco

Depois de uma carreira de três décadas no Morgan Stanley, Kelleher está agora a dirigir o UBS numa das maiores fusões da história financeira recente, com o banco a absorver o seu antigo rival Credit Suisse. O presidente do UBS Group, Colm Kelleher, indicou também que há uma boa hipótese de o banco suíço ultrapassar o objetivo de rentabilidade que estabeleceu para si próprio. “Estabelecemos um objetivo de 15%”, disse Kelleher nesta quarta-feira num evento na Bloomberg House, em Davos. “Obviamente que pode haver uma subida nesse objetivo”.

MAIS:  Fundação Montepio investe 400 mil euros em projeto Frota Solidária este ano