Greve anunciada pelo Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional em Portugal

Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional anuncia greve

O Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP) anunciou hoje uma greve para o próximo dia 31 em prol da valorização e dignificação da profissão, reestruturação de suplementos remuneratórios e aprovação do sistema de avaliação de desempenho.

Greve devido ao não cumprimento de promessas

Em declarações à agência Lusa, o dirigente do SNCGP Frederico Morais acusou a ministra da Justiça, Catarina Sarmento e Castro, de “não cumprir a promessa feita por escrito de fazer sair a portaria relativa ao sistema de avaliação de desempenho”.
Este diploma sobre o sistema de avaliação de desempenho, esclareceu o sindicalista, teria reflexos na progressão na carreira e permitiria uma equiparação com o sistema de avaliação da PSP.

Reivindicações relacionadas com suplementos remuneratórios

Quanto aos suplementos remuneratórios, outras das reivindicações desta greve geral, Frederico Morais referiu que a guarda prisional se bate pela melhoria dos suplementos, questão que, explicou, envolve a questão da atribuição do subsídio de missão à PJ e que deixou de fora, não só a guarda prisional, mas também a PSP e a GNR.

MAIS:  CAP pede à Comissão Europeia que aprove 60 milhões de euros em auxílios de Estado para agricultores portugueses

Greve apesar das eleições legislativas

Questionado sobre se faz sentido marcar uma greve para finais de janeiro quando se avizinham as eleições legislativas em março, o dirigente sindical considerou que o Governo, apesar de demissionário, só não aprova os diplomas exigidos pela guarda prisional porque não quer.
E recordou que o Governo aprovou a atribuição do suplemento de missão para a PJ já depois de o primeiro-ministro apresentar a demissão.
Além do mais, disse, as reivindicações que ditaram esta greve servirão também para memória futura de novos governos que venham a sair das próximas eleições.

Protestos de polícias e militares

Há mais de uma semana que polícias da PSP e militares da GNR têm realizado protestos em várias cidades do país contra o facto de o Governo ter aprovado em 29 de novembro o pagamento de um suplemento de missão para as carreiras da PJ, que não tem o mesmo valor nas restantes forças de segurança.