ONU alerta para a gravidade das secas a nível global

A ONU alertou hoje que as secas são “uma emergência sem precedentes à escala planetária” e poderão afetar 170 milhões de pessoas em todo o mundo. O relatório “Global Drought Snapshot” destaca que poucos perigos são tão devastadores como a seca, ceifando vidas, causando perdas económicas e afetando vários setores da sociedade. Segundo o relatório, se as temperaturas globais subirem 3°C acima dos níveis pré-industriais, aproximadamente 170 milhões de pessoas serão afetadas pelas secas extremas.

O relatório revela que a Europa foi fortemente afetada pela seca em 2022, com uma extensão de 630.000 km2. Também é previsto um aumento de 80% na intensidade das secas na China até o ano 2100. A seca no Corno de África causou a pior seca da região nos últimos 40 anos, levando à redução da produtividade agrícola e à escassez alimentar. Em dezembro de 2022, cerca de 23 milhões de pessoas estavam em situação de grave insegurança alimentar na região.

O relatório destaca a necessidade de recuperação e gestão sustentável das terras e práticas agrícolas, bem como a substituição de produtos de origem animal por alternativas sustentáveis. A adoção de sistemas de micro-irrigação pode reduzir o desperdício de água em 20-50%. As zonas terrestres e marítimas da União Europeia também devem ser alvo de medidas de recuperação até 2030.

MAIS:  Governo confirma perdão da dívida da CP

Além disso, é crucial a gestão eficiente da água e a preparação para desastres através de sistemas de alerta precoce. São necessários acordos globais vinculativos para a redução dos períodos de seca.

O relatório foi apresentado na 28.ª Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP28), que está a decorrer no Dubai até dia 12 de dezembro. Durante esta conferência, será feito um balanço global de oito anos de ação climática.