Moody’s deve manter classificação da dívida soberana portuguesa apesar da crise política

Moody’s deve manter classificação da dívida soberana de Portugal

Analistas acreditam que a Moody’s não irá alterar a avaliação da dívida soberana portuguesa, apesar da crise política. A economia do país continua a apresentar um bom desempenho, o que não será prejudicado por questões políticas. A Moody’s irá realizar a última avaliação do ano ao rating de Portugal.

Analistas afirmam que situação política não irá afetar classificação

O diretor de investimentos do Banco Carregosa, Filipe Silva, acredita que a situação política em Portugal não terá impacto na análise da Moody’s. No entanto, considera que o futuro governo teria que ter um discurso e rumo político diferente dos anteriores.

Economia portuguesa continua dinâmica

Apesar dos sinais de abrandamento da economia mundial, a economia portuguesa ainda apresenta um bom dinamismo. A Moody’s deverá manter a perspectiva estável para o rating de Portugal.

Aprovação do Orçamento do Estado pode influenciar classificação

O presidente da IMF – Informação de Mercados Financeiros, Filipe Garcia, acredita que a Moody’s não irá baixar a notação ou a perspectiva de Portugal. Ele argumenta que, se o Orçamento do Estado para 2024 for aprovado, a situação atual merecia uma subida do rating.

MAIS:  Governo confirma perdão da dívida da CP

Moody’s manteve rating de Portugal em maio

Na última avaliação, a Moody’s manteve o rating de Portugal em ‘Baa2’, mas alterou a perspectiva de estável para positiva. O rating é uma avaliação que tem grande impacto no financiamento dos países e das empresas.

Data das eleições legislativas antecipadas

Portugal terá eleições legislativas antecipadas em 10 de março de 2024. As eleições foram marcadas pelo Presidente da República após a demissão do primeiro-ministro.

Inquérito envolve primeiro-ministro português

O primeiro-ministro António Costa está sendo investigado pelo Ministério Público devido a suspeitas de tráfico de influências. O inquérito está relacionado a um negócio de um centro de dados em Sines. Costa nega qualquer envolvimento ilícito.