Operação de buscas na Start Campus relacionada com suspeitas de corrupção nos negócios do lítio e hidrogénio verde

Operação de buscas na Start Campus relacionada com suspeitas de corrupção nos negócios do lítio e hidrogénio verde

A Start Campus confirmou que foi alvo de uma operação de buscas realizada pelas autoridades judiciais. Essa operação está relacionada com as suspeitas de corrupção nos negócios do lítio e hidrogénio verde, que resultaram na demissão do primeiro-ministro.

Investigação centrada no projeto de construção de data center em Sines

A motivação das buscas está relacionada com o projeto de construção de um data center desenvolvido pela Start Campus na Zona Industrial e Logística de Sines.

Start Campus cooperando com as autoridades para garantir investigação completa e imparcial

A Start Campus afirmou que está cooperando com as autoridades, fornecendo todas as informações necessárias e solicitadas. A empresa está empenhada em garantir uma investigação completa e imparcial de todos os factos necessários.

Compromisso com a transparência e integridade das suas operações

A Start Campus reafirmou o seu compromisso com a transparência, legalidade e integridade de todas as suas operações. A empresa garantiu que continuará as suas operações e investimentos em Portugal.

MAIS:  Em março de 2030, foram aprovados 555 projetos e beneficiaram do apoio público mais de 11 milhões de euros até o mês de dezembro

Operação realizada com o apoio da Polícia de Segurança Pública (PSP) e da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT)

As diligências foram ordenadas ou autorizadas pelo Ministério Público e pelo juiz de Instrução Criminal. A operação de busca contou com o apoio operacional da Polícia de Segurança Pública (PSP) e da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT).

Mandados de detenção emitidos para detidos

A Procuradoria-Geral da República emitiu mandados de detenção fora de flagrante delito para o chefe de gabinete do primeiro-ministro, o Presidente da Câmara Municipal de Sines, dois administradores da Start Campus e um advogado/consultor contratado pela empresa.

Detidos serão presentes a primeiro interrogatório judicial para aplicação de medidas de coação

Os detidos, incluindo o CEO, Afonso Salema, e o administrador e diretor jurídico e de sustentabilidade, o advogado Rui Oliveira Neves, serão presentes a primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação.