As medidas relativas a instrumentos financeiros em setembro alcançaram os 20.124,6 milhões de euros

Aumento de pedidos de instrumentos financeiros em setembro

Durante o mês de setembro, o valor das ordens sobre instrumentos financeiros registados na CMVM aumentou em 51,9% em comparação com agosto, totalizando 20.124,6 milhões de euros. Desde o início do ano, este indicador já registou um aumento de 34,3%.

Aumento nas dívidas pública e privada

Segundo a CMVM, o valor mensal das ordens para instrumentos financeiros de dívida pública aumentou em 49%, atingindo 14.175,8 milhões de euros. Já na dívida privada, registou-se um crescimento de 152,1%, atingindo os 2.426,7 milhões de euros. Nas ações, o valor mensal subiu 5,2%, chegando a 1.730,9 milhões de euros.

Principais participantes do mercado

No que diz respeito às transações de ações, o Banco Comercial Português em Portugal teve a maior quota de mercado, com 21,3%, seguido pela CaixaBank e pelo BPI. Em relação à dívida, a maior quota pertenceu ao BNP Paribas, com 71,1%, seguido pelo Banco LJ Carregosa e pelo BTG Pactual Portugal- Empresa de Investimento.

Aumento nas ordens de instrumentos financeiros derivados

No mesmo período, o valor das ordens de instrumentos financeiros derivados, como ações, aumentou em 15,1% em comparação com o mês anterior, atingindo os 274.848,9 milhões de euros.

MAIS:  Preços da produção industrial em Portugal registam queda homóloga de 5%, segundo o INE

Aumento nas ordens de residentes e não residentes

Em setembro, o valor das ordens de residentes registou um aumento mensal de 34,5%, enquanto o valor das ordens de não residentes aumentou em 58%.

Destinos das ordens fora de Portugal

Os principais destinos das ordens executadas sobre ações fora de Portugal foram os Estados Unidos, França e Alemanha. Já para as ordens sobre títulos de dívida, os principais destinos foram os Países Baixos, França e Reino Unido.