A diretora da Startup Portugal alerta que os investimentos em capital de risco sofreram uma redução de 50%

Diretor executivo da Startup Portugal confirma queda de 50% no investimento em capital de risco

O diretor executivo da Startup Portugal confirmou, esta quinta-feira, que o investimento em capital de risco no país caiu cerca de 50% em 2023, em comparação com o ano passado. Esta queda é atribuída ao contexto macroeconómico e geopolítico.

Influência de fatores externos nas startups

Segundo António Dias Martins, houve uma quebra de investimento em venture capital de 50%, seguindo uma tendência mundial. Ele ressalta que Portugal não está pior nem melhor do que outros países e que a situação se deve aos efeitos de duas guerras, que têm impactado as startups com dificuldade em aceder a financiamento bancário e menor liquidez. Muitas empresas precisaram ajustar suas equipas para enfrentar o cenário desafiador.

Reforço das políticas de atração e retenção de talento

Para enfrentar esses desafios, o diretor executivo afirma que é preciso atuar e reforçar as políticas de atração e retenção de talento. Ele menciona a importância de se inspirar em países como Espanha e Estados Unidos da América, que possuem ecossistemas empreendedores ativos.

MAIS:  Após "maquiagem", OE 2024 é uma "operação plástica", diz IL.

Programa Road 2 Web Summit impulsiona o crescimento das startups

António Dias Martins destaca o papel significativo das startups que participam no programa Road 2 Web Summit no fomento do crescimento e da inovação da economia portuguesa. O programa já ajudou 800 startups e é responsável pelo sucesso da Musiversal, que obteve reconhecimento e angariou mais de 1,9 milhões de euros em investimentos.

Conclusão

O diretor da Startup Portugal enfatiza a importância de enfrentar as situações excecionais com respostas excecionais, e destaca a necessidade de fortalecer o ecossistema empreendedor do país para superar os desafios atuais.