A Guiné-Bissau. O Presidente apela à autoestima e promete uma “novidade” no 50º aniversário da independência

Presidente da Guiné-Bissau pede autoestima aos guineenses e promete surpresa nas comemorações dos 50 anos da independência

O Presidente da República da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, pediu autoestima aos guineenses e prometeu uma “surpresa” nas comemorações dos 50 anos da independência, que serão realizadas em 16 de novembro. Ele fez essas declarações durante uma coletiva de imprensa após sua visita de Estado a Portugal, destacando que o Presidente da República e o Primeiro-Ministro portugueses também estarão presentes nas celebrações.

Controvérsia sobre a primeira visita de Estado

A visita de Sissoco a Portugal foi anunciada como a primeira visita de Estado de um presidente da Guiné-Bissau. No entanto, nos últimos dias, a atualidade política e as redes sociais guineenses têm sido marcadas pela informação de que a primeira visita de Estado foi feita pelo presidente Nino Vieira em 1996. Sissoco considerou essa questão como “menor” e atribuiu a controvérsia a “guineenses que querem desordem”, lamentando que haja na Guiné-Bissau “uma crise de autoestima”.

Relação entre Guiné-Bissau e Portugal

O Presidente Sissoco agradeceu a forma como foi tratado durante sua visita de Estado a Portugal, destacando que isso mostra um bom nível de relação entre os dois países. Ele também ressaltou que, desde que é presidente da Guiné-Bissau, já fez 30 visitas de Estado e considera importante reposicionar o país no cenário internacional. Além disso, anunciou que fará uma visita de Estado à China no próximo ano e terá um encontro com o Papa Francisco em novembro.

MAIS:  Santander lança 2.000 bolsas para dominar o ChatGPT

Comemorações dos 50 anos da independência

Nas comemorações dos 50 anos da independência da Guiné-Bissau, que serão realizadas em 16 de novembro, Sissoco promete representações de vários países. Ele convidou o máximo de chefes de Estado para participar do evento e não revelou detalhes sobre o programa. No entanto, indicou que haverá uma boa manifestação, desfiles e possivelmente uma reação popular.