Denúncias de cibercrimes recebidas pela PGR crescem quase 60% no primeiro semestre

DENÚNCIAS DE CIBERCRIMES AUMENTAM QUASE 60% NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2023

As denúncias de cibercrimes aumentaram quase 60% no primeiro semestre do ano em relação ao mesmo período de 2022, chegando a 1.363 queixas recebidas pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Isso é o que indica um relatório divulgado recentemente.

Numa nota informativa sobre as denúncias de cibercrime recebidas por correio eletrónico no primeiro semestre de 2023, a PGR registrou 1.363 queixas nos primeiros meses do ano, um aumento de 511 em comparação com o mesmo período de 2022.

A PGR destaca que as denúncias de cibercrimes recebidas por correio eletrónico têm aumentado consistentemente desde 2016, quando foi criado o endereço eletrónico cibercrime@pgr.pt.

Em 2020, com a pandemia de Covid-19, as denúncias de cibercrimes registraram o maior aumento, seguido por uma subida ainda mais expressiva em 2021, tendência que se manteve no ano passado.

No primeiro semestre de 2023, foram recebidas 1.363 denúncias, em comparação com 305 em 2020, 594 em 2021 e 852 em 2022.

MAIS:  Em março de 2030, foram aprovados 555 projetos e beneficiaram do apoio público mais de 11 milhões de euros até o mês de dezembro

A PGR ressalta que esses números revelam uma progressão constante e persistente do número de queixas recebidas ao longo dos anos, com um enorme aumento de denúncias de um ano para outro.

Durante os primeiros seis meses do ano, houve também um aumento no número de denúncias que resultaram na abertura de inquérito, passando de 102 em 2022 para 292 em 2023.

O relatório também destaca que, do total de denúncias recebidas, 14 foram encaminhadas para a Polícia Judiciária.

A tipologia criminosa mais reportada foi a do ‘phishing’, com um total de 209 participações, seguida pela utilização de aplicativos como o WhatsApp para induzir as vítimas a fornecerem seus dados de cartão de crédito em páginas falsas.

Outras denúncias que aumentaram no primeiro semestre de 2023 incluem as burlas relacionadas com vendas online, as burlas imobiliárias e as burlas relacionadas com investimentos em cripto ativos.

Também houve um aumento de queixas relacionadas com falsas convocatórias policiais, supostos pagamentos de eletricidade em falta, falsos telefonemas da Microsoft, divulgação de dados privados e fotografias íntimas, discurso de ódio online e crimes contra a honra.

MAIS:  Construção em debate: Caminho para uma construção limpa em Portugal

A PGR destaca ainda que as denúncias relacionadas com o crime conhecido como “olá mãe, olá pai” intensificaram-se no primeiro semestre de 2023, com 33 queixas registradas.

Nesses casos, os criminosos abordam as vítimas através do WhatsApp, alegando que seus filhos perderam o telefone e estão utilizando um número provisório. A maioria das vítimas percebe a tentativa criminosa e não efetua os pagamentos exigidos, mas algumas acabaram sendo burladas em valores de milhares de euros.